Print this page

PE reclama rotulagem obrigatória do país de origem da carne e do leite

O Parlamento Europeu (PE) defende que a origem da carne e do leite deve estar indicada na rotulagem, por considerar que esta informação introduz maior transparência na cadeia alimentar e reforça a confiança dos consumidores.

Numa resolução não obrigatória aprovada esta sexta-feira, o Parlamento Europeu pede a indicação obrigatória do lugar de origem para todos os tipos de leite, lacticínios e carnes. Os eurodeputados sugerem que a Comissão estude a possibilidade de ampliar a obrigação a outros produtos alimentares com apenas um ingrediente ou que tenham outro predominante.

Os eurodeputados reclamam ainda a rotulagem obrigatória sobre a origem da carne em alimentos processados e recordam o escândalo da carne de cavalo e outros casos de fraude. A resolução aprovada assinala que 84 por cento dos cidadãos da União Europeia (UE) consideram necessário indicar a origem do leite; 88 por cento reclama para todos os tipos de carne, no caso de bovino, porco, ovino, caprino e as aves já é obrigatório e no caso dos alimentos transformados, 90 por cento dos europeus solicitam a informação sobre o país de origem.

O texto destaca que, conforme indicado na informação da Comissão, os custos da implementação da rotulagem do país de origem obrigatória para as carnes seria relativamente pouco importante.

O PE pediu já algumas vezes a rotulagem obrigatória dos alimentos. Numa resolução de Fevereiro de 2015 sobre a carne processada, instou a Comissão a apresentar um projecto legislativo que o obrigasse, com o objectivo de introduzir mais transparência na cadeia de produção e oferecer melhor informação aos consumidores.

Até à data, a Comissão não elaborou nenhuma proposta, com o argumento de que seria dispendioso para a indústria e também que os consumidores não estariam dispostos a pagar mais em troca dessa informação.

Fonte: CONFAGRI

  • Last modified on Wednesday, 18 May 2016 16:18