Portuguese English French German Italian Spanish

  Acesso à base de dados   |   email: qualfood@idq.pt

Covid-19: OMS admite que dinheiro vivo pode ser veículo de transmissão

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já tinha afirmado, na sua secção de perguntas e respostas sobre o Covid-19, que não havia certezas sobre o comportamento do vírus em contacto com diversas superfícies. Agora, na noite de segunda-feira, confirmou ao Daily Telegraph uma possibilidade concreta: a OMS não exclui a hipótese de que o vírus se propague através de dinheiro vivo, em particular notas bancárias, razão pela qual pede às pessoas que lavem as mãos quando o utilizam.

"Sabemos que o dinheiro muda de mãos frequentemente e pode apanhar todo o tipo de bactérias e vírus”, afirmou um porta-voz da OMS ao jornal. “Aconselhamos às pessoas que lavem as mãos depois de mexer em notas e que evitem tocar na cara.” A Organização deixa ainda uma recomendação final: “Sempre que possível, é aconselhável que se utilize pagamentos contacless, para reduzir o risco de transmissão.

Na China e na Coreia do Sul, países onde a epidemia já matou no total quase três mil pessoas, os bancos já estão a adotar medidas para desinfetar as notas bancárias. O Banco Central da China confirmou em meados de fevereiro que os bancos do país estão a fazer essa limpeza, guardando e selando depois as notas entre 7 a 14 dias (tempo médio de incubação do vírus) antes de as voltar a introduzir em circulação.

A confirmação ao Telegraph surgiu depois de o Banco de Inglaterra ter relembrado na noite de domingo que as notas podem “transportar bactérias e vírus”. Contudo, contactada pelo diário britânico, uma fonte do Banco garantiu não haver planos para aplicar no Reino Unido um sistema de desinfeção semelhante ao chinês. “O risco [de contágio] ao tocar numa nota de polímero não é maior do que o de tocar em qualquer outra superfície comum, como corrimões, maçanetas ou cartões de crédito”, acrescentou a mesma fonte.

A dúvida surge porque, como explica a própria OMS, há ainda muitas incertezas por parte da comunidade científica em torno do Covid-19, não havendo ainda certezas absolutas sobre a forma de contágio e sobre quanto tempo pode este coronavírus sobreviver fora do corpo humano.

Fonte: Observador

  • Last modified on Tuesday, 03 March 2020 11:44