Portuguese English French German Italian Spanish

  Acesso à base de dados   |   email: qualfood@idq.pt

FAO e OMS lançam guia sobre Covid-19 e segurança alimentar

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e a Organização Mundial de Saúde (OMS) publicaram um guia sobre a Covid-19 e a segurança alimentar.

O guia é dirigido às empresas alimentares e informa sobre os riscos de transmissão do coronavírus através dos alimentos, as medidas que os trabalhadores devem adotar no ambiente laboral, como se deve levar a cabo o transporte e entrega dos ingredientes e produtos alimentares ou como se devem expor os produtos no ponto de venda.

Nesta publicação, explica-se que é “altamente improvável” que as pessoas possam infectar-se por Covid-19 através do consumo de alimentos, já que o vírus não se pode multiplicar nos mesmos e necessita de um hóspede animal ou humano.

No início do mês, a OMS fez um seminário online sobre o tema, onde de abordaram as investigações levadas a cabo para determinar a sobrevivência do coronavírus em diferentes superfícies. Segundo os resultados, o vírus pode permanecer ativo até 72 horas em materiais como o plástico e o aço inoxidável, quatro horas no cobre e até 24 horas no cartão. Estas investigações foram realizadas num ambiente de laboratório, com humidade relativa e temperatura controladas, pelo que os resultados devem ser interpretados com precaução.

O guia indica que é imperativo que a indústria alimentar reforce as medidas de higiene pessoal e proporcione pautas de atuação e capacitação dos trabalhadores sobre os princípios de higiene alimentar, a fim de reduzir o risco de que as superfícies dos materiais de embalagem possam ser contaminadas com o vírus caso algum trabalhador esteja infectado.

A OMS insiste na necessidade de proporcionar aos trabalhadores equipamentos de proteção pessoal, como máscaras e luvas, ferramentas que podem reduzir e evitar a propagação do vírus e outras doenças no sector alimentar, mas sempre que utilizadas de forma adequada. Também aconselha o distanciamento físico, a lavagem frequente das mãos e das zonas de trabalho em todas as etapas de processamento, fabrico e comercialização dos alimentos.

Fonte: Grande Consumo