Portuguese English French German Italian Spanish

  Acesso à base de dados   |   email: qualfood@idq.pt

Universidade de Aveiro pode ter descoberto a cura para o cancro do kiwi

A doença do chamado cancro do kiwi é induzida pela bactéria Pseudomonas Synrigae Actinidae (PSA), que começa por provocar pintas amarelas nas folhas, depois espalha-se pelo resto do organismo da planta e pode levar à sua morte.

Mas eis que investigadores da Universidade de Aveiro (UA) utilizaram um novo método para eliminar esta doença, "sem efeitos secundários para a planta, pelo que se conseguiu apurar até agora no trabalho de investigação realizado", anunciou a UA, em comunicado.

Trata-se de uma doença que os kiwicultores portugueses já conhecem há cerca de 20 anos. "Quando aparecem os primeiros sinais, aplicam um tratamento à base de óxido de cobre que é o tratamento mais frequentemente aplicado em Portugal e nos outros países produtores de kiwi, mas que não tem sido suficiente para controlar a praga", garante a UA, alertando para o facto de o uso do óxido de cobre ter vários problemas associados: "a sua toxicidade acumula-se no ambiente e pode não eliminar totalmente o cancro do kiwi, dado que há bactérias que conseguem desenvolver resistência a este tratamento", explicou.

O trabalho deste grupo de investigação da UA, em parceria com a Associação Portuguesa de Kiwicultores (APK), que está sediada em Santa Maria da Feira, "partiu do já conhecido efeito antimicrobiano das porfirinas que tem vindo a ser estudado por este grupo de investigadores em efluentes líquidos".

Mas esta investigação está longe de concluída, pelo que não é certo que a UA tenha descoberto a cura para o cancro do kiwi. "O próximo passo na investigação será a aplicação da nova formulação em plantas infectadas (in vivo) e, depois, testes no campo. Por outro lado, serão necessários ainda estudos de intervalo de segurança, entre outros, para verificação de eventuais efeitos em pessoas e animais", esclareceu.

Segundo a APK, Portugal é o 11.º produtor mundial de kiwis, tendo no ano passado exportado mais de metade da sua produção. Aliás, desde há seis anos que vendemos mais kiwis para fora do que importamos - em 2017, o país exportou 16.272 mil toneladas, no valor de 19,5 milhões de euros, de um total de 28 mil toneladas de kiwis produzidos, e importou 9.326 toneladas por 14 milhões de euros.

Fonte: Correio da Manhã