Portuguese English French German Italian Spanish

  Acesso à base de dados   |   email: qualfood@idq.pt

A nova estratégia “Do Prado ao Prato”  apresentada pela Comissão Europeia  ao Parlamento Europeu  procura promover um sistema alimentar mais saudável e sustentável, enquadrando-se no Pacto Ecológico Europeu. A transição para um sistema alimentar sustentável terá benefícios para o ambiente, para a saúde e para a sociedade proporcionando ganhos económicos e garantindo a subsistência de todos os setores intervenientes.

Estratégia do Prado ao Prato - Projeto de plano de ação

Numa análise genérica a estratégia apresentada pela CE propõe-se:

  • Reduzir

    • Em 50% a utilização de pesticidas químicos;

    • Em 50 % a utilização dos pesticidas mais perigosos até 2030;

    • Em pelo menos 50 % as perdas de nutrientes garantindo simultaneamente que não há deterioração da fertilidade dos solos (as estimativas apontam para redução de 20% na utilização de fertilizantes até 2030);

    • Em 50 % as vendas de agentes antimicrobianos para animais de produção e de aquicultura até 2030;

  • Aumentar


    •  A extensão da agricultura biológica a 25 % das terras agrícolas até 2030;

    • Implementar ferramentas de inovação digital nas zonas rurais, através do acesso a banda larga rápida ate 2025.

No documento são ainda contempladas outras medidas complementares:

    • Revisão da diretiva relativa à utilização sustentável dos pesticidas, reforço das disposições relativas à protecção integrada e promoção de uma maior utilização de formas alternativas seguras de proteger as colheitas contra pragas e doenças, mantendo os rendimentos dos agricultores. 

    • Simplificação das regras para a colocação no mercado de pesticidas que contenham substâncias ativas biológicas e reforço da avaliação dos riscos ambientais dos pesticidas;

    • Colaboração com os Estados-Membros na preparação de um plano de ação para a gestão integrada dos nutrientes, com o objetivo de reduzir e  prevenir a poluição decorrente da utilização excessiva de fertilizantes e promover a reutilização de nutrientes provenientes de diferentes tipos de resíduos orgânicos como fertilizantes;

    • Aplicação da regulamentação dos medicamentos veterinários e dos alimentos medicamentosos para animais que, a partir de 2022, contribuirá para uma utilização prudente e responsável dos agentes antimicrobianos nos animais de produção;

    • Desenvolvimento de  um plano de ação dirigido para a agricultura biológica, tendo por  objetivo apoiar os Estados-Membros a estimular a oferta e a procura de produtos biológicos e assegurar a confiança dos consumidores, através de campanhas de promoção e de contratos públicos ecológicos.

Em suma:

A Estratégia do Prado ao Prato tem como objetivos:

  • No setor da produção agrícola
     

    • Estimular a transição para a implementação de práticas sustentáveis por agricultores e outros operadores da cadeia alimentar, compensando e criando oportunidades adicionais para as suas empresas. Por exemplo, promovendo novos modelos de negócio ecológico , através do sequestro de carbono recorrendo a práticas agrícolas que eliminem o CO2 da atmosfera, e contribuam para o objetivo da neutralidade climática, sendo recompensadas, através da política agrícola comum (PAC) ou de outras iniciativas públicas ou privadas (mercado do carbono);

    • Impulsionar práticas sustentáveis em “regimes ecológicos”, como a agricultura de precisão, a agroecologia (incluindo a agricultura biológica), a criação de elementos paisagísticos, o armazenamento de carbono nos solos agrícolas e a agro-silvicultura, através da disponibilização de instrumentos financeiros;

    • Promover a transição para sistemas alimentares sustentáveis, saudáveis e inclusivos ,em particular, no âmbito da alimentação, bio economia, recursos naturais, agricultura, pescas, aquicultura e ambiente, bem como, para a utilização de tecnologias digitais e de soluções baseadas na natureza para o setor agroalimentar, através da investigação e a inovação (I&I).


  • No setor da Industria agropecuária

    • Incrementar uma produção animal mais sustentável na UE, por forma a reduzir o impacto ambiental e climático da produção animal;

    • Adotar requisitos de rotulagem para alimentos sustentáveis, que terão igualmente em consideração, a informação respeitante ao bem-estar dos animais, por forma a obter o reconhecimento dos consumidores pelos esforços efetuados na transição para uma produção sustentável;

    • Simplificar a colocação no mercado de aditivos para a alimentação animal sustentáveis e inovadores que contribuirão para a redução da emissão de gases com efeito de estufa e para a diminuição da poluição da água e do ar;

    • Aumentar a produção dos produtos agrícolas e o consumo sustentáveis, em consonância com a evolução dos regimes alimentares, sensibilizando e a incentivando os consumidores a optar por alimentos produzidos de forma mais sustentável;

    • Apoiar métodos de produção animal mais sustentáveis e eficientes em termos de emissões de carbono;

    • Rever a legislação respeitante às matérias de bem-estar dos animais na produção, no transporte e no abate;
    • Promover a investigação destinada a pesquisar a disponibilidade de fontes de proteínas alternativas, como as proteínas vegetais, microbianas, marinhas e de insetos e de substitutos de carne, através de incentivos ao abrigo do Programa Horizonte Europa.

Fonte: DGAV

Foi publicado o Regulamento (UE) nº 2020/685 que altera o Regulamento (CE) n.o 1881/2006 no que diz respeito aos teores máximos de perclorato em determinados alimentos.

Os operadores das empresas do setor alimentar devem dispor de tempo suficiente para se adaptarem aos novos requisitos estabelecidos no presente regulamento. A data de aplicação dos teores máximos de perclorato a esses géneros alimentícios deve, por conseguinte, ser diferida.

É ainda mencionado que, os géneros alimentícios enumerados no anexo do presente regulamento que tenham sido legalmente colocados no mercado antes de 1 de julho de 2020, podem continuar a ser comercializados até à sua data de durabilidade mínima ou data-limite de utilização.

O diploma entra em vigor a 1 de julho de 2020.

Pode consultar o documento aqui.

Fonte: Qualfood

Em 2030, a produção total de pescado aumentará para 204 milhões de toneladas, o que representa 15% mais que em 2018, indica um relatório da ONU sobre o estado mundial da pesca e da aquicultura.

O estudo revela, em concreto, que o consumo anual per capita de peixe é de 20,5 quilogramas, devendo alcançar, dentro de 10 anos, os 21,5 quilogramas. O crescimento é quase a metade do aumento registado na década passada.

Sustentabilidade

De acordo com a ONU, 78,7% de todo o pescado que se desembarca procede de povoações biologicamente sustentáveis. A este respeito, Rupert Howes, diretor executivo da MSC, indica que a procura mundial de produtos pesqueiros é maior do que nunca. “Mas, se queremos continuar a satisfazer as necessidades no futuro, devemos impulsionar a adoção de medidas para gerir, de modo sustentável, as pescas a nível mundial. Mais de um terço das pescas (34,2%) é feita de modo insustentável, uma tendência que continua a piorar ligeiramente, apesar de alguns sinais animadores. Onde se adotaram medidas de gestão efetivas foram feitas melhorias na recuperação das populações das espécies, tais como o atum riscado, o badejo do Alasca e o bacalhau do Atlântico”.

Covid-19

O estudo destaca que a indústria pesqueira mundial se adaptou rapidamente aos danos causados pela pandemia do coronavírus. “Quando sairmos desta crise, é fundamental que façamos uma melhor reconstrução e nos centremos na sustentabilidade. Sabemos o que funciona: fixar regimes de ordenamento pesqueiro com base científica, acabar com as subvenções prejudiciais, as regras de controlo de captura efetivas e travar a pesca ilegal, não regulada e não declarada”.

Fonte: Grande Consumo

Cinco pessoas nos Países Baixos foram afetadas através do envenenamento por ciguatera, provavelmente causado por bifes de pargo congelados provenientes da Índia.

Os doentes fizeram uma refeição juntos em meados de maio e em três horas, desenvolveram sintomas como gastroenterite e queixas neurológicas. Nenhum deles necessitou de tratamento hospitalar.

Tjitte Mastenbroek, assessora de imprensa da Autoridade Holandesa de Segurança de Alimentos e Produtos para Consumidores (NVWA), disse que é provável a intoxicação por ciguatoxina.

“Uma embalagem original selada do peixe que se encontrava disponível na casa das pessoas afetadas,  está em análise para a deteção de neurotoxinas. O resultado desta análise é esperado na próxima semana. Atualmente, não se sabe se este caso está relacionado a uma fonte pontual (por exemplo, um único peixe) dentro do lote, que poderia ter sido contaminado com ciguatoxinas ”, disse ele.

“O lote em questão foi retirado de venda e do acesso dos consumidores nos Países Baixos. O produto foi oferecido apenas para venda na Holanda em um número limitado de toko's. Essas pequenas lojas alertaram seus clientes através de cartazes e cartões nas prateleiras. ”

Nos Países Baixos, o nome de uma loja de comida asiática é Toko.

Nenhum caso relatado na Grande Distribuição

A Ciguatera é uma doença causada pela ingestão de peixes que contêm certas toxinas. As toxinas têm origem num tipo de alga e entram no peixe através da ingestão da mesma, ou de outros peixes que tenham ingerido algas contaminadas.

Os bifes de pargo congelados são provenientes da Índia, e via França também foram distribuídos para Áustria, Bélgica, Finlândia, Alemanha, Itália, Luxemburgo, Suécia, Suíça e Reino Unido.

Especialistas do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC) disseram não ter sido relatado nenhum envenenamento no sistema usado para detecção e avaliação precoce de grupos e surtos de vários países.

A Secretaria da INFOSAN disse que não foi informada de nenhum caso adicional de doença em outros países vinculado ao consumo dos bifes de pargo congelados implicados.

 “Não acompanhamos esta situação na Índia, uma vez que o produto em questão já tinha superado o seu prazo de validade. Continuaremos a seguir esse incidente através do RASFF ”, afirmou.

Um alerta das autoridades do Luxemburgo mostra que a marca do produto afetado é Seapro e possui o número de lote 85205-2217.

Os possíveis sintomas de envenenamento incluem náuseas, vómitos, diarreia, dor muscular seguida de sintomas neurológicos, incluindo dor de cabeça, reversão de temperatura (as coisas quentes ficam frias e as frias, quentes), tonturas, dormência, fraqueza muscular e batimentos cardíacos irregulares.

O aparecimento dos sintomas geralmente ocorre dentro de seis horas após a ingestão do produto contaminado e dura alguns dias ou semanas. A toxina Ciguatera não afeta a aparência, o odor ou o sabor dos peixes. Congelar ou cozinhar peixe depois de contaminado não elimina a toxina.

Resultado da reunião de especialistas de Ciguatera

Enquanto isso, a Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicaram um relatório sobre a ciguatera.

Mais de 20 especialistas reuniram-se em novembro de 2018 para discutir a intoxicação por peixes ciguatera e desenvolver aconselhamento científico para o Comité do Codex sobre Contaminantes em Alimentos.

As lacunas de dados existentes significavam que não era possível concluir uma avaliação completa dos riscos, mas a reunião abordou desafios analíticos, identificação de perigos, avaliação de exposições e considerações sobre a gestão de riscos.

Ciguatera é um crescente problema mundial devido a razões que incluem mudanças climáticas. Devido ao comércio mundial e ao consumo de peixe importado, existem relatos de envenenamento em muitos países, como Canadá, Alemanha, França e Estados Unidos. Dados epidemiológicos sugerem que o envenenamento por ciguatoxina é muito pouco relatado.

Muitos países impõem restrições de tamanho de peixe como uma ação de gestão de risco de ciguatera, mas a toxicidade de algumas espécies está associada a variações sazonais e, para a maioria, não há correlação comprovada entre a toxicidade do peixe e seu tamanho ou peso.

Fonte: Food Safety News

Foi publicada hoje em JO da União a Comunicação 2020/199/01 da Comissão que proporciona orientações em matéria de sistemas de gestão da segurança alimentar para atividades de venda a retalho de géneros alimentícios, incluindo doações de géneros alimentícios.

O objetivo destas orientações é facilitar e harmonizar a aplicação dos requisitos da UE no que se refere a um SGSA com um papel central da análise dos perigos, para os seguintes retalhistas: talhos, mercearias, padarias, peixarias, Gelatarias, centros de distribuição, supermercados, restaurantes, serviços de restauração e bares.A presente comunicação fornece orientações sobre a forma como estes retalhistas, no âmbito da sua atividade, podem aplicar o Regulamento (CE) n.o 852/2004, nomeadamente o artigo 4.o e o anexo II, no que respeita aos requisitos gerais de higiene, e o artigo 5.o, no que respeita aos processos baseados nos princípios HACCP.

É ao mesmo tempo um exemplo de como o setor retalhista pode aplicar especificamente as orientações, incluindo as relativas à facilitação/flexibilidade, recomendadas na Comunicação da Comissão de 2016, especificamente a nível retalhista. As autoridades competentes podem também utilizar estas orientações para verificar a aplicação dos requisitos da UE por parte destas empresas do setor alimentar.

As partes relacionadas com a doação de géneros alimentícios complementam as orientações da UE sobre a doação de géneros alimentícios, que clarificam as disposições pertinentes da legislação da UE, a fim de facilitar o cumprimento, pelos fornecedores e beneficiários dos excedentes alimentares, dos requisitos estabelecidos no quadro regulamentar da UE (por exemplo, segurança dos géneros alimentícios, higiene dos géneros alimentícios, informação sobre os géneros alimentícios, rastreabilidade, responsabilidade, etc.).

No domínio da higiene dos géneros alimentícios, por exemplo, as orientações indicam a necessidade de os OESA (incluindo bancos alimentares e outras instituições caritativas) aplicarem boas práticas de higiene e disporem de um sistema de autocontrolo baseado nos princípios HACCP relacionado com as atividades de redistribuição dos alimentos.

Pode consultar o documento aqui.

Fonte: Qualfood

A região Europeia não pode se dar ao luxo de perder o foco em outras ameaças à saúde durante o surto de coronavírus, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Autoridades do Escritório da OMS para a Europa reportaram que alimentos inseguros ainda afetam milhões durante a pandemia do COVID-19 e que a região deve continuar a melhorar a segurança alimentar.

Estima-se que todos os anos, 23 milhões de pessoas adoecem na região europeia da OMS e 4.700 morrem por ingerirem alimentos contaminados, de acordo com dados publicados pela OMS em 2015. Os alimentos inseguros também desempenham um papel no desenvolvimento socioeconómico dos países, pois afeta o comércio internacional e as oportunidades de mercado.

Em 2019, a OMS Europa alertou que estes números eram apenas a ponta do iceberg e o verdadeiro número de casos era desconhecido. As estatísticas traduzem-se em 44 pessoas que ficam doentes, a cada minuto devido à ingestão de alimentos contaminados.

O risco não pode ser eliminado, deve ser gerido

Dr. Hans Henri P. Kluge, diretor regional da OMS para a Europa, disse que a segurança alimentar é uma questão de saúde complexa.

“Os riscos de segurança alimentar não podem ser totalmente eliminados, mas devem ser geridos ao longo de toda a cadeia alimentar, do campo à mesa. Reduzir os riscos de segurança alimentar requer colaboração entre setores, partes interessadas e fronteiras nacionais. ”

O Dia Mundial da Segurança Alimentar deste ano, em 7 de junho, foi comemorado durante a crise do COVID-19. A OMS Europa pediu liderança e compromisso dos responsáveis pelas políticas, coordenação e parcerias entre setores, partes interessadas e países, alocação de recursos e responsabilidades adequados por todos os envolvidos para fazer o que for necessário para tornar os alimentos seguros.

Houve um nível reduzido de relatos de surtos transmitidos por alimentos durante o mês de abril, mas as atividades voltaram ao normal em maio, de acordo com o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC).

A OMS Europa trabalha em colaboração com as autoridades de saúde e segurança alimentar na região para implementar o Plano Estratégico de Segurança Alimentar, incluindo as zoonoses transmitidas por alimentos de 2013 a 2022.

As causas mais frequentes de doenças transmitidas por alimentos são agentes como norovírus, Campylobacter e toxoplasmose da doença parasitária. A Salmonella não tifoidal causa mais mortes. Outras causas de morte incluem contaminações por Listeria monocytogenes e Echinococcus multilocularis.

EFSA aumenta a consciencialização sobre segurança alimentar

Uma pesquisa da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) constatou no ano passado, que enquanto 2 em cada 5 europeus estão interessados ​​em segurança alimentar, apenas 1 em cada 5 diz que é a principal preocupação na escolha de alimentos. Alimentos inseguros com bactérias, vírus, parasitas ou substâncias químicas nocivas causam mais de 200 doenças.

“A pandemia do COVID-19 é um lembrete oportuno dos perigos causados ​​por organismos patogénicos e da importância das boas práticas de higiene. Embora os alimentos não sejam a fonte ou veículo de transmissão do COVID-19, a emergência mostrou dolorosamente o impacto que essas doenças podem ter na saúde pública e no bem-estar socioeconómico”, disse Bernhard Url, diretor executivo da EFSA.

“Não há dúvida de que a segurança alimentar na Europa é uma responsabilidade compartilhada. A cooperação ajuda, não só, a compartilhar a carga de trabalho e os recursos necessários, mas também fornece a rede para canalizar informações e melhores práticas, para que todos na Europa possam beneficiar do sistema da UE.”

Um porta-voz da EFSA disse que a crise do COVID-19 destacou o papel crucial da preparação, vigilância e colaboração interdisciplinar a níveis nacional, regional e internacional, bem como a higiene dos alimentos do campo ao garfo.

Fonte: Food Safety News

A Direção-Geral da Saúde (DGS) publicou um guia de recomendações por tema e setor de atividade, onde apresenta uma tabela com os documentos técnicos publicados que podem ser adaptados aos diferentes setores de atividade, como atividades aquáticas, estética, turismo e saúde e bem-estar.

O objetivo é facilitar a procura de orientações próprias para cada setor/tema, através da equiparação com outros setores para os quais já existem documentos técnicos elaborados.  

Existem normas, como a nº 004/2020 (definição de caso suspeito e confirmado de COVID-19), e orientações, nomeadamente a nº 006/2020 (relativa a procedimentos de prevenção, controlo e vigilância em empresas) e a nº 011/2020 (definição das medidas gerais em estabelecimentos de atendimento ao público ou similares), que podem ser aplicadas a diferentes contextos.  

As atividades de dança, por exemplo, devem respeitar a norma nº 004/2020 e as orientações nº 006/2020, 011/2020, 014/2020 (da desinfeção dos espaços), 019/2020 (relativa às máscaras), 028/2020 (dos equipamentos culturais) e 030/2020 (da atividade física e de lazer), bem como a informação nº 009 (sobre as máscaras).

Recorde-se que as orientações e normas da DGS contemplam medidas recomendadas com base na melhor evidência técnica e científica disponível à data de publicação das mesmas, sendo por isso fundamental o seu cumprimento para uma efetiva mitigação da pandemia da COVID-19.

Com a abertura dos estabelecimentos e serviços, as recomendações constantes nos documentos técnicos da DGS devem ser adotadas com os devidos ajustes à realidade local e particularidade de cada setor ou atividade, conjuntamente com o cumprimento da legislação em vigor.

A tabela que consta no guia não substitui a consulta das orientações específicas para cada estabelecimento, instituição ou serviço sempre que existam, nem da legislação em vigor. As medidas devem ser aplicadas após determinação da retoma da atividade respetiva.

Pode consultar o documento aqui.

Fonte: DGS

Quase metade dos portugueses teme que o bacalhau desapareça da sua dieta em 2040 e 90% das pessoas estão dispostas a fazer mais pela sustentabilidade do mar e das pescas, indica uma investigação divulgada esta segunda-feira.

Por ocasião do Dia Mundial dos Oceanos, que se assinala esta segunda-feira a organização independente “Marine Stewardship Council” (MSC) divulgou um estudo que, além do medo que 42% dos portugueses têm de que lhes falte o bacalhau, indica que mais de metade da população (54%) já alterou os seus hábitos de consumo de pescado para proteger os mares.

No documento afirma-se ainda que 65% dos portugueses pensam que para salvar os oceanos é preciso consumir peixes e marisco que provenham de fontes sustentáveis, além de 90% estarem dispostos a dar um passo maior pela sustentabilidade do mar e da pesca.

Os dados agora divulgados foram obtidos através de um inquérito a mais de 20.000 pessoas em 23 países, e revelam também que o bacalhau é o peixe favorito dos portugueses (24%), seguido do salmão (13%) e do camarão (12%). Do total de inquiridos, 34% reconhece a existência de rótulos sustentáveis de produtos de pesca.

No documento esta segunda-feira divulgado afirma-se que os elevados níveis de preocupação com o estado dos oceanos estão a provocar uma nova onda de “ativismo de consumo“, para salvaguardar os mares.

O inquérito em 23 países revelou que seis em cada 10 consumidores de produtos do mar já fizeram alterações na forma como escolhem e compraram pescado no último ano, para proteger os peixes.

Essas alterações implicaram mudar para marcas ou produtos que ajudam a proteger os oceanos e os peixes (23%), comprar espécies diferentes de produtos (17%), ou mudar o local das compras (15%).

E para estas alterações contribui a preocupação a nível mundial de quase uma em cada três pessoas (31%) em relação à falta do seu peixe favorito dentro de 20 anos. Os jovens são os mais preocupados.

No comunicado agora divulgado o MSC salienta que os oceanos contêm até 80% da vida na Terra e que os produtos do mar são uma importante fonte de proteínas para mais de três mil milhões de pessoas em todo o mundo. E alerta que a prática tem sido pescar acima dos limites de sustentabilidade, com 60% dos peixes a serem pescados na sua capacidade máxima.

O MSC anuncia também no documento que pôs em marcha uma nova campanha global “Little Blue Label, Big Blue Future”, que tem como objetivo encorajar mais consumidores a optar por produtos da pesca que estejam certificados segundo o “exigente standard do ´selo azul´”.

Em Portugal a campanha é lançada sob o lema “Pequeno como um gesto, imenso como o mar” e tem o apoio de empresas que disponibilizam produtos de pesca sustentável com o selo azul do MSC.

“Com a sobrepesca, as alterações climáticas e a poluição a exercer uma pressão crescente sobre os nossos oceanos, as escolhas que fazemos como consumidores nunca foram tão importantes. Este inquérito demonstra uma preocupação real das pessoas pela proveniência dos produtos da pesca e como são obtidos”, diz Rupert Howes, chefe executivo do MSC, citado no documento.

O MSC é uma organização criada em 1997 para defesa da pesca sustentável e proteção dos oceanos. A entidade estabelece normas globalmente reconhecidas e fundamentadas cientificamente para a pesca sustentável, tendo criado o selo azul.

O selo azul num produto de pesca significa que provém de uma pescaria que foi certificada de forma independente para uma pesca ambientalmente sustentável. O selo pode ser encontrado em mais de 100 espécies de pescado e mariscos em 100 países.

O Dia Mundial dos Oceanos teve origem na conferência das Nações Unidas sobre o ambiente realizada em 1992, no Rio de Janeiro, Brasil. A ONU decidiu em 2008 estabelecer oficialmente que o dia 08 de junho passaria a ser o Dia Mundial dos Oceanos.

Fonte: Observador

Estatísticas do Eurostat, com base na venda de fitofármacos entre 2011 e 2018, confirmam Portugal (com – 43%) como o Estado-membro com a maior redução de vendas e uso destes produtos.

As estatísticas de vendas são um dos indicadores usados para avaliar o consumo destes produtos na agricultura.

De acordo com os dados apresentados pelo Eurostat, o Serviço de Estatística da União Europeia, no período entre 2011-2018, ou seja, durante sete anos, as vendas deste tipo de produtos na União Europeia permaneceram estáveis em cerca de 360 mil toneladas/ano.

Nesta análise do Eurostat destacam-se os quatro principais produtores agrícolas da UE: França, Espanha, Itália e Alemanha. Os quatro representam 51% da área agrícola total utilizada, 49% da terra arável total da União Europeia e concentram mais de dois terços das vendas.

A apresentação dos produtos vendidos é feita por categorias, o que permite constatar que em 2018 os maiores volumes de vendas se registaram nos ‘Fungicidas e Bactericidas’ (45%), seguidos de ‘Herbicidas’ (32%) e de ‘Insecticidas e Acaricidas’ (11 %).

Considerando que apenas em 14 Estados-membros existem dados completos disponíveis para todos os principais grupos de produtos, entre 2011 e 2018, o maior aumento nas vendas de pesticidas foi registado no Chipre (+ 94%), seguido pela Áustria (+ 53%), França (+ 39%) e Eslováquia (+ 38%). 

No outro extremo da escala, a maior queda foi registada em Portugal (-43%), seguida pela Irlanda (-28%) e República Checa (-27%).

Fonte: AgroPortal

Todos temos direito a alimentos seguros, nutritivos e suficientes. Nos dias de hoje ainda se verifica que quase uma em cada dez pessoas no mundo adoece depois de comer alimentos contaminados. Quando os alimentos não são seguros, as crianças não podem aprender, os adultos não podem trabalhar. O desenvolvimento humano não pode ocorrer. Alimentos seguros são essenciais para promover a saúde e acabar com a fome, estes são dois dos 17 objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Quando os alimentos não são seguros, não pode haver segurança alimentar e num mundo onde a cadeia alimentar se torna mais complexa, qualquer incidente relativo à segurança dos alimentos tem um impacto negativo na saúde pública, no comércio e na economia.

No entanto, a segurança alimentar é regularmente tomada como garantida. Muitas vezes é invisível até a intoxicação alimentar tomar lugar. Alimentos inseguros (com bactérias, vírus, parasitas ou substâncias químicas nocivas) causam mais de 200 doenças - desde de diarreia a cancro.

Este dia internacional é uma oportunidade para fortalecer os esforços e para garantir que os alimentos que ingerimos sejam seguros. Se produz, processa, vende ou prepara alimentos, tem um papel em mantê-los seguros. Todos ao longo da cadeia alimentar são responsáveis pela segurança alimentar.

Para esta segunda comemoração do Dia Mundial da Segurança Alimentar (WFSD), todas os intervenientes são convidados à consciencialização sobre a segurança alimentar e destacar que todos os envolvidos nos sistemas alimentares têm um papel a desempenhar.

Para combater as mudanças contínuas no clima, nos sistemas globais de produção e suprimento de alimentos que afetam consumidores, indústria e o próprio planeta, todos precisamos considerar a segurança alimentar agora e no futuro.

Fonte: FAO/WHO