Portuguese English French German Italian Spanish

  Acesso à base de dados   |   email: qualfood@idq.pt

O Governo justifica o adiamento com "constrangimentos manifestados por diversos agentes económicos" e com "a necessidade de alargar o âmbito de aplicação desta portaria a outros materiais".

O Governo voltou a adiar a entrada em vigor do pagamento de uma taxa de 30 cêntimos sobre as embalagens de alumínio de uso único para refeições, segundo uma portaria esta terça-feira publicada em Diário da República.

Inicialmente prevista para 1 de janeiro deste ano, o arranque da cobrança desta taxa sobre as embalagens de alumínio ou multimaterial com alumínio nas refeições prontas a consumir foi adiada ainda em 31 de dezembro 2022 para o dia 01 de setembro (sexta-feira). Agora, a data de entrada em vigor voltou a ser revista, passando para 1 de janeiro de 2024, face às dificuldades transmitidas pelos operadores económicos.

"Tendo em conta os constrangimentos manifestados por diversos agentes económicos, bem como a necessidade de alargar o âmbito de aplicação desta portaria a outros materiais, (...) considera-se essencial assegurar, no imediato, a prorrogação da produção de efeitos para a aplicação da contribuição sobre as embalagens de utilização única de alumínio ou multimaterial com alumínio", lê-se na portaria.

A taxa de 30 cêntimos está, porém, a ser já aplicada desde julho de 2022 sobre as embalagens de plástico de utilização única para refeições prontas a consumir. Na origem desta medida está, segundo a portaria, "a necessidade de aprofundar o caminho de transição para uma economia circular, promovendo a redução sustentada do consumo de embalagens de utilização única e a consequente redução do volume de resíduos gerados".

O diploma, assinado pelos secretários de Estado dos Assuntos Fiscais e do Ambiente, Nuno Félix e Hugo Pires, respetivamente, entra em vigor esta quarta-feira.

Fonte: TSF

Foi publicada a Portaria nº 267/2023, que implementa procedimentos e medidas de proteção fitossanitária adicionais no território nacional contra a praga de quarentena flavescência dourada para a aplicação do Regulamento de Execução (UE) 2022/1630.

Esta portaria também vem oficializar a plataforma gesFITO como sistema oficial de registo e gestão de informação para prevenção e controlo fitossanitário.

Fonte: DGAV

A diretora-geral de Alimentação e Veterinária, Susana Pombo, alerta, em declarações à TSF, que a doença está a "expandir-se rapidamente". O consumo de carne de animais doentes não é perigoso, mas há restrições ao movimento de animais nestas explorações, nomeadamente para exportação.

Há uma nova doença animal na Europa, que começou em Itália, entrou em Espanha e chegou a Portugal em julho. A doença já foi confirmada em 14 explorações no Alentejo e outras sob suspeita, à espera de análises, no centro do país. Nesta altura praticamente todo o país está em situação de alerta.

Trata-se da doença hemorrágica epizoótica, que afeta somente animais ruminantes - especialmente bovinos. O consumo de carne de animais doentes não é sequer perigoso, mas o avanço rápido da doença provoca algumas inquietações, já que implica restrições ao movimento de animais nestas explorações, nomeadamente para exportação.

"É uma doença vírica, afeta os ruminantes - em especial bovinos e os cervídeos selvagens -, é transmitida por vetores e não afeta os seres humanos", explica, em declarações à TSF, a diretora-geral de Alimentação e Veterinária, Susana Pombo.

"Quando detetamos uma exploração positiva, é estabelecido um raio de 150 quilómetros que limita o movimento dos animais a partir dessa grande área para outras zonas onde nunca foi reportada a doença, isto numa perspetiva de controlo", continua, alertando que, tal como em Espanha, a doença "está a expandir-se rapidamente".

Apesar de não reconhecer nenhuma morte associada a esta doença, que, em regra, pode ser tratada em poucos dias, Susana Pombo afirma que em Espanha, existem já casos de animais mortos.

Como se trata de uma doença nova, não há vacina, pelo que a prevenção passa pelo controlo de mosquitos, higiene nas explorações e limites à movimentação de animais potencialmente infetados num raio de 150 quilómetros, cobrindo praticamente todo o país.

Dentro desse raio de 150 quilómetros, os animais de explorações afetadas podem seguir para abate e comercialização, mas não podem ser exportados para países da União Europeia (UE) além de Espanha e Itália, que já têm a doença.

"Há constrangimentos dentro da UE porque só se podem movimentar [animais] dentro de áreas afetadas. Se escolhermos exportar, por exemplo, para França, que é um país que, até à data, é livre [da doença], aí destas áreas afetas não podemos certificar animais", esclarece.

A diretora-geral veterinária pede aos produtores que estejam atentos aos sintomas e alerta as autoridades em caso de suspeita, até porque a transparência é a melhor forma de lidar com o problema.

"É uma doença que tem uns sinais clínicos que são mais frequentes e que os médicos veterinários e os senhores produtores devem estar atentos, como lesões na mucosa oral, no focinho, há reportes de que os animais produzem saliva com excesso, com corrimento nasal, por vezes inflamação na coroa dos cascos, alguma coceira e febres", enumera.

Fonte: TSF

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), realizou nas últimas semanas, uma operação de fiscalização, a nível nacional, direcionada a estabelecimentos de apoios de praia, com atividade de restauração e bebidas, de carácter fixo ou amovível, bem como vários tipos de estabelecimentos e/ou bancas de venda ambulante de géneros alimentícios instalados junto às praias costeiras ou interiores, com o objetivo de garantir o cumprimento das regras gerais e especificas de higiene e segurança alimentar bem como o cumprimento das regras relativas às práticas comerciais.

Como resultado destas ações, foram fiscalizados 160 operadores económicos, tendo sido instaurados 34 processos de contraordenação destacando-se como principais infrações a falta de mera comunicação prévia, a inexistência de processo ou processos baseados nos princípios do HACCP, a violação dos deveres gerais da entidade exploradora do estabelecimento de restauração e bebidas, a falta de livro de reclamações entre outras.

Foram ainda apreendidos cerca de 18 kg de molúsculos bivalves, no valor de 155,00€, e um instrumento de pesagem no valor de 250,00€.

Fonte: ASAE

Foi publicado o Decreto-Lei n.º 69/2023, de 21 de agosto de 2023, que determina as novas regras de controlo da qualidade da água para consumo humano.

A publicação do Decreto-Lei n.º 69/2023, de 21 de agosto de 2023, transpõe para o ordenamento jurídico nacional a Diretiva 2020/2184, do Parlamento e do Conselho Europeu de 16 de dezembro, relativa ao controlo da qualidade da água para consumo humano, bem como integra as disposições legais decorrentes da transposição da Diretiva 2013/51/EURATOM, do Conselho de 22 de outubro, e que já constavam da legislação em vigor no que concerne ao controlo da radioatividade.
 
É importante salientar que o conteúdo da diretiva comunitária que dá origem a esta transposição resulta em grande medida da iniciativa de cidadania europeia designada por Right2Water, cujos resultados foram muito relevantes para o texto final. Por esta razão, as novas regras de controlo da qualidade da água para consumo humano refletem as principais preocupações manifestadas pelos cidadãos europeus que participaram na referida iniciativa.
 
Assim, como principais alterações face ao quadro legal vigente a ERSAR destaca:
 
  • ​​Consolidação da implementação da abordagem de avaliação e gestão do risco em toda a cadeia do abastecimento de água que, em Portugal, já tinha sido iniciada com os programas de controlo da qualidade da água aprovados pela ERSAR para 2023 suportados pela avaliação do risco nos sistemas de abastecimento de água para 2023. Desta forma, as componentes origens de água, sistemas de tratamento e distribuição e redes prediais terão o respetivo controlo da qualidade da água suportado por uma avaliação e gestão do risco, introduzindo mais segurança, racionalidade técnica e financeira na determinação dos parâmetros a controlar na verificação da qualidade da água.

  • Alteração significativa nalguns valores paramétricos, ou seja, nalguns valores limite que, nuns casos são mais exigentes e noutros estão adaptados à realidade geográfica onde os sistemas de abastecimento operam. Para ilustrar esta alteração, dá-se nota que o valor paramétrico do chumbo passará de 10 µg/l para 5 µg/l, com efeitos a partir de 12 de janeiro de 2036, que os valores paramétricos de antimónio e selénio aumentam de 5 µg/l para 10 µg/l e de 10 µg/l para 20 µg/l​, respetivamente, e o boro que poderá ter um valor paramétrico de 2,4 mg/l em vez dos atuais 1,5 mg/l, desde que a água provenha de um processo de dessalinização ou as características geológicas do solo assim o justifiquem. Estas mudanças refletem a preocupação manifestada de ter os últimos desenvolvimentos científicos incorporados neste quadro regulamentar.

  • Ainda relativamente aos parâmetros, as novas regras determinam o controlo dos compostos designados por emergentes com a criação de uma lista de vigilância pela Comissão Europeia que será atualizada com regularidade e determina que todos os Estados-membros deverão fazer uma avaliação da sua situação particular relativamente a esses compostos. Salienta-se aqui, por exemplo, o controlo de alguns desreguladores endócrinos ou dos microplásticos.

  • Introdução de novos parâmetros, como os PFAS, que, com uma monitorização mais regular, permitirá a cada Estado-membro conhecer melhor a sua situação e atuar em conformidade, incrementando-se assim os níveis de proteção da saúde humana.

  • Uniformização das regras de utilização dos materiais e produtos em contacto com a água permitindo uma maior justiça e equidade entre os produtores e fabricantes dos diversos Estados-membros, ao contrário do que acontecia até ao presente com alguns países a serem bastante mais criteriosos do que outros nesta seleção. Assim, além de uma maior justiça concorrencial na União Europeia, garante-se que as entidades gestoras dos sistemas de distribuição de água utilizam os melhores materiais e produtos em contacto com a água, com os consequentes benefícios para a proteção da saúde humana.

  • Promoção da redução das perdas de água nas redes de distribuição, preocupação resultante da iniciativa Right2Water e que teve reflexo na nova diretiva, bem como na transposição portuguesa, determinando que os Estados-membros têm de fazer uma avaliação das perdas nas respetivas redes e apresentar um plano de redução das mesmas. Nesta matéria, podemos considerar que Portugal já tem uma boa parte do seu trabalho feito, uma vez que o modelo de regulação da qualidade do serviço já faz esta avaliação desde 2004.

  • Alterações na informação que deve ser prestada aos consumidores que, no caso português, já estavam em alguma medida consagradas na regulamentação da faturação detalhada. Contudo, a transposição permitiu fazer algumas melhorias à legislação em vigor, por exemplo, a explicitação do preço da água também por litro, o que permite uma melhor comparação com o custo das águas vendidas em garrafa, e a avaliação do consumo de cada agregado familiar em comparação com a média global dos agregados familiares, como ferramenta de incremento da eficiência de utilização da água por todos.
 
Por último, salienta-se a preocupação de alinhamento deste quadro regulamentar com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), designadamente o ODS 6 relativo à água e saneamento seguros. De facto, a transposição portuguesa prevê a definição de uma estratégia de garantia de acesso à água para todos, incluindo os grupos vulneráveis e marginalizados, pretendendo-se que seja um instrumento que permita a Portugal cumprir a sua parte em assegurar que até 2030 toda a população residente no nosso território terá acesso a água para consumo humano segura.
 
As últimas três décadas caracterizaram-se por uma crescente melhoria da qualidade da água para consumo humano​, tendo sido atingido o nível de excelência de 99 % de água segura na torneira em 2015 (água gerida pelas entidades gestoras dos sistemas públicos de distribuição), que se mantém como tal desde então. Apesar da sua maior exigência, a ERSAR está convicta que este novo quadro regulamentar agora publicado constituirá mais um passo em frente na consolidação da segurança da água da torneira, que se pretende que tenha como reflexo uma crescente confiança dos consumidores.
 
Fonte: ERSAR

Fazer um jantar delicioso e manter bons hábitos de higiene alimentar não é assim tão difícil. Sabe quais os cuidados a ter dentro da cozinha? A campanha #EUChooseSafeFood dá-lhe algumas dicas.

Para ter uma alimentação saudável não basta apenas estar atento à quantidade de vegetais que coloca no prato. Também é necessário saber tratar deles até à hora da refeição. E até os cuidados com a higiene pessoal se tornam mais essenciais, já que podem reduzir o risco de contaminação de alimentos, assim como promover a segurança alimentar. Foi também com este objetivo que a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), em parceria com a ASAE, desenvolveu a campanha #EUChooseSafeFood, que lhe dá algumas dicas úteis.

Lave as mãos
A lavagem das mãos deve ser feita frequentemente e não apenas antes de se preparar qualquer alimento. Além disso, deverá ser feita em água morna durante pelo menos 20 segundos. Esta ação ajuda a reduzir a propagação de bactérias e impede que estas entrem em contacto com os alimentos.

Separe alimentos crus de cozinhados
Costuma usar a mesma tábua de corte para todos os alimentos? Tem de deixar de o fazer. Os alimentos crus e prontos para consumo devem ser separados para que não sejam contaminados.

Armazenamento
Verifique os seus eletrodomésticos. O frigorífico deve manter uma temperatura abaixo de 4ºC e o congelador uma temperatura abaixo dos -18ºC.

Datas de validade
Não tenha preguiça. Se costuma fazer uma ronda à sua despensa uma vez por ano, o melhor é fazê-la mais vezes, já que as datas de validade devem ser verificadas regularmente. A dica é colocar os alimentos, cuja data de validade acaba mais cedo, à frente.

Cheire os alimentos antes de os consumir
Não deve consumir alimentos cuja data ultrapasse a que está indicada. Mas caso esteja dentro do prazo de validade, nunca é demais verificar o cheiro e o aspeto do alimento antes de consumir.

Cozinhe corretamente os alimentos
Como cozinhar os alimentos de forma correcta? Deixe-os cozinharem completamente. No caso das carnes, por exemplo, pode até mesmo utilizar um termómetro para verificar a temperatura interna.

Cuidado com as sobras
Antes de guardar as sobras no congelador certifique-se de que a comida arrefece durante duas horas no frigorífico. Qualquer alimento que tenha sido mantido à temperatura ambiente, por um período superior a duas horas, deverá ser descartado.

Atenção à água
Quer seja para beber, cozinhar ou lavar alimentos, a água deve ser potável e segura para uso. Em caso de dúvida deverá fervê-la antes de a consumir.

Fonte: Sábado

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), realizou nas últimas semanas, várias operações de fiscalização, a nível nacional, direcionadas aos Mercados Abastecedores, com vista a verificar o cumprimento das regras de higiene, segurança alimentar e de qualidade, bem como os requisitos específicos aplicáveis aos produtos hortofrutícolas e pescado.

A instalação dos mercados abastecedores está sujeita aos controlos aplicáveis aos estabelecimentos de comércio por grosso e armazéns de géneros alimentícios de origem animal que exijam condições de temperatura controlada, aos estabelecimentos de comércio, por grosso e a retalho, e armazéns de alimentos para animais e à exploração dos demais estabelecimentos de comércio e de armazéns de produtos alimentares.

No âmbito destas ações, foram fiscalizados 215 operadores económicos, tendo sido instaurados 16 processos de contraordenação, destacando-se como principais infrações a falta de controlo metrológico, a falta de indicações obrigatórias nos produtos hortícolas e fruta, designadamente no que se refere à sua variedade, origem e categoria, a falta de mera comunicação prévia, entre outras.

Foram ainda apreendidos 4 910,5Kg de produtos hortofrutícolas no valor total de 11 390,00€, e ainda 6 instrumentos de pesagem no valor total de 3 650€.

Fonte: ASAE

Consumo de broa de milho não é recomendado por DGS e ASAE em 11 localidades. Especialista indica o que terá originado o problema.

Os casos suspeitos começaram ainda em Julho e, após quase 200 casos de toxinfecção alimentar, o consumo de broa de milho passou a não desaconselhado em diversas localidades.

Nesta quinta-feira, a Direção-Geral da Saúde e a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica indicaram que é melhor não comer broa de milho nas localidades onde decorreram toxinfecção alimentar.

As 11 localidades são: Pombal, Ansião, Leiria, Marinha Grande, Pedrógão Grande, Ourém, Figueira da Foz, Condeixa-a-Nova, Coimbra, Ílhavo e Vagos.

A origem deste surto associado à broa de milho ainda não foi divulgada oficialmente. Está a decorrer uma investigação e esta recomendação é uma medida preventiva e transitória.

Mas Artur Alves, professor do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro, já apontou para a origem mais provável: micotoxinas.

“O surto estará relacionado com a produção de algum tipo de toxina por algum microorganismo, provavelmente um fungo”.

“Se pensarmos que a broa é cozinhada a altas temperaturas, não será um microorganismo em si que irá eventualmente causar algum tipo de problema. Por outro lado, as micotoxinas conseguem tolerar elevadas temperaturas e não são eliminadas”, descreveu o especialista no jornal Público.

Bolores podem ter contaminado o cereal, tendo assim originado as micotoxinas. Há fungos que contaminam facilmente cereais como o milho.

Os sintomas indicam o mesmo caminho: confusão mental e diminuição da força muscular serão causadas por toxinas de origem microbiológica, são sinais típicos de intoxicações causadas por micotoxinas.

Artur Alves avisa que as micotoxinas – ainda não especificadas – estão “muito provavelmente” na farinha da broa de milho: “Os fungos contaminam os cereais com alguma facilidade”.

Sintomas e tratamento

Os sintomas de uma toxinfecção alimentar, como este caso, são muito parecidos com os sintomas de uma intoxicação alimentar.

Os sintomas são: cólicas abdominais, diarreia, febre, cefaleias, náuseas e vómitos, entre outros possíveis. 

As pessoas afectadas devem começar a sentir sintomas logo meia hora depois de comer – num período que pode chegar às 2 horas depois da refeição.

Paulo Almeida, médico de medicina geral e familiar, avisou no jornal Correio da Manhã que as intoxicações alimentares são mais frequentes no Verão: “As condições de humidade e temperatura facilitam o rápido desenvolvimento de bactérias e a produção de toxinas nos alimentos contaminados”.

Para evitar uma intoxicação alimentar, fica o conselho básico: ter muito cuidado com os alimentos e evitar qualquer alimento que não seja seguro.

Quando uma pessoa já está afectada, normalmente não deve ficar muito preocupada, já que as consequências não são graves na maioria dos casos e os sintomas desaparecem sozinhos. Basta repouso digestivo.

Paulo Almeida recomenda beber muitos líquidos e bebidas desportivas, para evitar a desidratação.

O paracetamol, ou outro analgésico, pode ser preciso para controlar a diarreia (mas só deve ser tomado após indicação do médico).

Fonte: ZAP

As alterações climáticas deverão conduzir a um aumento das infecções de origem alimentar e representam um risco crescente para a saúde pública na Alemanha, segundo os cientistas.

Um de uma série de artigos, publicados no Journal of Health Monitoring do Instituto Robert Koch, centra-se na influência das alterações climáticas nas intoxicações de origem alimentar.

A revisão analisa os perigos para a saúde humana colocados por bactérias, parasitas e biotoxinas marinhas relevantes na Alemanha, incluindo Salmonella, Campylobacter e Vibrio, bem como os parasitas Cryptosporidium e Giardia.

As alterações climáticas podem resultar em temperaturas mais elevadas do ar e da água, no aumento da precipitação ou na escassez de água. Por exemplo, no futuro, a agricultura poderá ter de recorrer mais a águas residuais tratadas devido à escassez de água. Os investigadores afirmaram que isto representa um risco para a segurança alimentar, devido a uma possível contaminação dos produtos irrigados por agentes patogénicos.

Campylobacter, Salmonella e Vibrio

As infecções por Campylobacter são tipicamente sazonais, com a maioria dos casos nos meses de verão, de julho a setembro. Com o aquecimento progressivo resultante das alterações climáticas e dos períodos quentes prolongados que lhe estão associados, espera-se um aumento dos casos.

De acordo com o estudo, é igualmente possível que, durante os meses de verão, o aumento das temperaturas conduza a uma maior prevalência nos bandos de aves de capoeira e a uma maior exposição dos consumidores através do consumo da sua carne.

Os comportamentos alterados durante os meses de verão podem ter um efeito indireto no aumento das infecções, como a maior frequência de grelhados de aves de capoeira e outras carnes, ou a prática de natação em águas de superfície. Foi também observado um aumento das infecções e dos surtos após fortes chuvas e inundações.

Na Europa, a maioria dos casos de salmonelose são registados durante os meses de verão.

O crescimento favorável da Salmonella a temperaturas mais elevadas leva a concentrações mais elevadas nos alimentos contaminados durante os períodos mais quentes. Esta situação está relacionada, entre outras coisas, com a má preparação e refrigeração dos alimentos durante os churrascos ou piqueniques, que também são mais comuns no verão. As temperaturas elevadas aumentam o risco de rutura da cadeia de frio, o que pode ter um impacto significativo no estado microbiológico dos alimentos.

Até à data, as infecções por Vibrio de origem alimentar têm sido raras na Europa. A ocorrência de Vibrio spp. é favorecida pelo aquecimento global e pelo aumento das ondas de calor, podendo levar à sua propagação e possivelmente também ao estabelecimento de novos tipos na Europa, pelo que a incidência de infecções humanas pode aumentar no futuro, segundo os investigadores.

O aumento da temperatura da água levará a uma amplificação da contaminação por Vibrio nas zonas europeias de captura, colheita e cultivo de marisco, e alargar-se-á também para além dos meses de verão e outono.

Ainda não existem informações exactas sobre as infecções por Vibrio de origem alimentar. Na Alemanha, apenas foram registados casos isolados desde a introdução da notificação obrigatória em 2020, o que pode indicar uma baixa exposição a produtos que contêm Vibrio ou que uma grande proporção de doenças não é detectada ou notificada. Os produtos crus e insuficientemente aquecidos, como os mexilhões e as ostras, representam um risco, especialmente para as pessoas com sistemas imunitários debilitados ou com doenças pré-existentes.

Parasitas e medidas de prevenção

Uma investigação ainda não publicada do Instituto Federal Alemão de Avaliação de Riscos (BfR) indica que as alterações climáticas também têm um impacto direto na prevalência e virulência de parasitas, que já são muito estáveis no ambiente. O Cryptosporidium e a Giardia podem permanecer infecciosos durante um longo período e causar doenças, especialmente após o consumo de alimentos crus contaminados.

As condições meteorológicas extremas, como as chuvas fortes e as inundações, que se espera que aumentem em resultado das alterações climáticas, aumentam o risco de entrada de oocistos/cistos infecciosos nas massas de água, bem como o risco de contaminação de alimentos à base de vegetais, afirmaram os investigadores.

As alterações climáticas estão a alterar a distribuição geográfica de algumas espécies de algas que podem estar envolvidas na formação de eflorescências de algas nocivas. As biotoxinas marinhas não são detectáveis pelo odor, sabor ou aspeto e não são normalmente destruídas pela cozedura, congelação ou outros processos de preparação.

"As nossas principais recomendações para minimizar o risco para a saúde das infecções e intoxicações de origem alimentar residem na área da higiene da cozinha, que deve ser sempre aplicada na preparação dos alimentos. Isto inclui a lavagem cuidadosa das mãos e a utilização de utensílios de cozinha bem lavados após o manuseamento de carne e peixe crus, bem como evitar a contaminação cruzada", afirmaram os investigadores.

"Além disso, a maioria dos agentes patogénicos microbiológicos pode ser eliminada com sucesso através de um processo de aquecimento suficiente; por exemplo, deve ser mantida uma temperatura interna de 70 ºC durante pelo menos dois minutos quando se prepara marisco.

"Recomendamos também a utilização de novas tecnologias para monitorizar as cadeias de abastecimento. Dada a globalização da rede de distribuição alimentar e a utilização de diferentes técnicas de processamento e conservação, pode ser difícil seguir a cadeia de abastecimento de um produto para identificar potenciais riscos. Os avanços tecnológicos permitiram criar soluções digitais para este efeito; o conhecimento das unidades populacionais de peixes, a rastreabilidade dos produtos do mar e a transparência da cadeia de abastecimento podem beneficiar de abordagens inovadoras."

Fonte: Food Safety News e Qualfood

O Departamento de Saúde Pública da Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) informou esta segunda-feira que, segundo o mais recente balanço, foram contabilizadas 136 pessoas com sintomas de toxinfeção alimentar em Leiria, mais 54 face ao anterior balanço, feito na quinta-feira passada.

Em causa está, recorda a mesma fonte, uma situação "aparentemente associada ao consumo de broa".

"Do total de casos identificados, 35 recorreram a serviços de saúde, encontrando-se 2 sob observação clínica. Os doentes avaliados em serviços de saúde têm apresentado, maioritariamente, quadros clínicos ligeiros, com rápida resolução", explica ainda a mesma fonte.

Se inicialmente os casos estavam circunscritos a "concelhos da área de abrangência do ACES Pinhal Litoral" - onde se regista a maioria dos casos -, o comunicado revela que foram, entretanto, identificados casos em "alguns concelhos dos ACES Pinhal Interior Norte, Médio Tejo, Baixo Mondego e Baixo Vouga".

A Saúde Pública da ARSC assegurou ainda que se mantém a "investigação epidemiológica e análises laboratoriais de amostras clínicas e alimentares", mas também "a realização de vistorias aos locais de confeção, cadeia de comercialização, distribuição e venda dos alimentos". Os "produtos sinalizados" foram também retirados do mercado.

Os serviços de Saúde Pública locais e regionais do Centro e de Lisboa e Vale do Tejo, em colaboração com as unidades hospitalares, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), o Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses, o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária e o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, "continuam a acompanhar a situação, com divulgação pública dos elementos mais relevantes da investigação".

Em comunicado anterior, a entidade explicou que a "sintomatologia observada foi predominantemente neurológica, nomeadamente os seguintes sintomas: secura das mucosas da cavidade oral; dilatação pupilar; visão desfocada; tonturas; quadros de confusão mental e diminuição da força muscular".

Fonte: Notícias ao minuto