Portuguese English French German Italian Spanish

  Acesso à base de dados   |   email: qualfood@idq.pt

Esta forma de cozinhar ao ar livre, permite juntar a família e os amigos em torno de um preparado culinário já clássico nos dias grandes de férias. Saudável e ao mesmo tempo divertido. Contudo, são necessários alguns cuidados básicos para evitar consumo de partes carbonizadas, potencialmente tóxicas e contaminações alimentares desnecessárias em plenas férias.

Aqui se descrevem alguns cuidados básicos para um grelhar saudável:

– Estacione o carro em local fresco nos dias em que vai às compras, em particular no verão.

– Quando for comprar a carne ou peixe para grelhar, deixe para o final esta compra.

– Peça para limpar o peixe e, se for caso disso, para escalar na peixaria e verifique se o peixe é lavado no final da operação.

– Separe o frango (de maior risco microbiológico) de outras carnes. Tenha cuidado com os sucos da carne. Não os deixe pingar para outros alimentos. Feche bem as embalagens.

– Guie directamente para casa. Se a viagem for superior a meia hora leve uma arca para a carne e para o peixe. Envolva com material para arrefecer.

– Ao chegar a casa separe de imediato em embalagens lavadas. Congele o que não vai utilizar nos próximos 1-2 dias.

– Descongele no frigorífico, no refrigerador e não ao ar livre.

– Se puser a marinar, em particular nos dias mais quentes, deixe a marinar no refrigerador.

– Só retire do frio para grelhar na hora e na quantidade certa. Evite tocar em carne a grelhar e na carne que está no frio.

– Lave as mãos antes e depois de colocar a carne ou o peixe a grelhar.

– Os utensílios e a bandeja que contactarem os alimentos em cru não devem contactar os alimentos cozinhados.

– Ao grelhar verifique se a carne ou o peixe não estão crus no interior e cozinhados por fora. Especial cuidado deve ser dado ao frango e aves. Cozinhe sempre bem estes alimentos.

– Nunca grelhe parcialmente para aquecer depois, ou, dar depois um acabamento. Faça todo o processo de uma só vez e leve de imediato para a mesa.

– Peça a um ajudante para ir levando à medida que vai grelhando. E peça aos convidados para não fazerem cerimónia. Ao esperar, não só a comida arrefece como aumenta o risco de contaminação. Algumas pessoas preparam primeiro a comida para as crianças e depois a dos adultos.

– Consumir regularmente carne carbonizada ou muito grelhada pode aumentar o risco de cancro. Evite as chamas. Retire a maioria das gorduras visíveis antes de grelhar carne e tente manter a pele do peixe intacta ao longo do processo, retirando-a durante a refeição.

– Salgue só no momento de grelhar utilizando sal grosso. Evite o excesso de sal que por vezes acontece com uma salga prévia e com sal muito refinado.

– Faça uma boa salada para acompanhar as carnes ou o peixe. Tempere com azeite e ervas aromáticas e tente reduzir a quantidade de sal. Será uma excelente e saudável opção de acompanhamento.

– Pode também optar por grelhar alguns legumes (pimentos, tomates, beringelas, alho francês…). Lembre-se de no final, retirar a pele queimada, tanto aos legumes como ao pescado e carne.

Para finalizar e se tiver um termómetro para alimentos, aqui ficam as temperaturas mínimas adequadas para uma confeção segura do ponto de vista microbiológico:

Ave inteira: 74ºC

Peitos de aves de capoeira: 74ºC

Carne moída: 71ºC

Carne bovina, carne de porco, cordeiro e vitela (bifes, assados e costeletas): 63ºC

Fonte: Nutrimento

Marisco no Verão. Sim ou não?

  • Wednesday, 17 August 2016 10:51

Com a chegada do verão e sendo Portugal um país com grande tradição e qualidade na oferta de marisco, surgem algumas oportunidades para consumir estes moluscos (mexilhão, amêijoa, conquilha) e crustáceos (sapateira, camarão). No entanto, há muito que se atribuiu uma conotação negativa ao marisco pela sua riqueza em colesterol. Mas será que o marisco é dos principais responsáveis aumento dos níveis de colesterol? E o seu consumo não apresenta outras vantagens nutricionais ?

Se analisarmos a quantidade de gordura total presente no marisco, por exemplo no camarão (1g de gordura/100g), na amêijoa (2g de gordura/100g), ou no mexilhão (4,5g de gordura/100g), verificamos que os valores são substancialmente baixos. Sabemos hoje que os principais responsáveis pelo aumento do colesterol são sobretudo as gorduras saturadas e trans, que estão presentes em quantidades muito reduzidas no marisco. Pelo contrário, o próprio marisco poderá ser um fator protetor da saúde cardiovascular pelos interessantes níveis de ácidos gordos polinsaturados (alfa-linolénico (ALA) ou ómega-3, que possui. Do ponto de vista nutricional, o marisco é também uma boa fonte de vitamina B12, uma vitamina extremamente importante na formação das células sanguíneas e na integridade das células nervosas. Pensa-se que esta vitamina pode ainda contribuir para a redução dos níveis de homocisteína que tem um papel protetor nas doenças cardiovasculares. Em particular, as amêijoas são das maiores fontes alimentares de vitamina B12, onde apenas (12g) superam o valor diário recomendado.

Mas o marisco não se fica por aqui, pois é também uma importante fontes de proteínas de alto valor biológico, ferro, selénio e até mesmo de cálcio.

Apesar da riqueza nutricional do marisco, nem todos o podem consumir. Indivíduos com alergias alimentares ao marisco têm obrigatoriamente que o excluir da sua alimentação. Por serem também alimentos ricos em purinas estão igualmente desaconselhados para pessoas com valores elevados de ácido úrico.

Relativamente à segurança dos alimentos, é importante considerar alguns cuidados na escolha, compra e conservação do marisco. Devemos optar por bivalves com conchas bem fechadas, com cheiro fresco e agradável a maresia e carne brilhante. No caso dos crustáceos, o aspeto brilhante e luzidio, olhos negros salientes e cheiro agradável a maresia são alguns exemplos de cuidados a ter no momento da escolha e compra destes alimentos. O consumo de marisco deteriorado pode levar a intoxicações alimentares com consequência graves, sobretudo em determinados grupos de risco, como grávidas, crianças, idosos e indivíduos imunodeprimidos.

Apesar de todos os seus benefícios nutricionais teremos sempre que considerar que o método de confecção e acompanhamento escolhido é também uma questão importante. A associação do camarão com maionese, pão torrado com manteiga, excesso de sal ou a fritura, tendem a adicionar gordura de má qualidade e sal a este interessante alimento, tornando-o um alimento de risco.

O mesmo se passa com outras espécies como é o caso das “Amêijoas à Bulhão Pato”, cozinhadas apenas com azeite, alho e coentros, um marco da nossa gastronomia e qualidade nutricional em comparação com outros métodos de confecção.

Fonte: Nutrimento

Está proibida a venda de árvores de citrinos em grande parte do norte do país.

Em causa está a psila africana dos citrinos (Trioza erytreae), que leva à morte da árvore. Não põe em risco a saúde pública mas está a afetar toda a produção nacional.

A venda é proibida, mas segundo foi apurado, há quem o faça de forma clandestina.

Em Portugal apareceu pela primeira vez em janeiro de 2015. Mais de um ano depois, a mancha de infestação já é muito maior.

Rapidamente se alastrou para grandes produções, onde os prejuízos são incalculáveis.

Para evitar a propagação, o Ministério da Agricultura e do Mar emitiu um despacho de proibição de venda destas árvores.

Se a proibição está ou não a ser cumprida é a grande preocupação das entidades, para que a praga não chegue ao sul do país, onde há a maior produção de citrinos.

Fonte: Agrotec

A DGAV divulga o Poster relativo às plantas ornamentais que podem ser via de dispersão de Citrus greening, considerada a doença mais devastadora dos citrinos a nível mundial.

Pretende-se que os profissionais e a população em geral, estejam atentos e reportem aos serviços oficiais quaisquer casos suspeitos da presença da doença ou dos insetos que a transmitem.

Para aceder a mais informações, clique aqui.

Fonte: DGAV

A DGAV divulga o presente Ofício Circular n.º 22/2016, relativo à comercialização de passas de uva provenientes de uvas tratadas com Clorpirifos, em data anterior à entrada em vigor do novo Limite máximo de resíduos de Clorpirifos em uvas de mesa.

Fonte: DGAV

O Grupo de Trabalho sobre Produtos Fronteira entre Suplementos Alimentares e Medicamentos, constituído por representantes da DGAV, do Infarmed, da ASAE e da Academia (FFUC e ICBAS) emitiu um Parecer sobre a presença de Melatonina em suplementos alimentares, com o qual se pretende clarificar o enquadramento dos produtos contendo esta substância.

Fonte: DGAV

Os Estados-membros devem, com a participação ativa dos operadores das empresas do setor alimentar, realizar a monitorização da presença de níquel nos alimentos em 2016, 2017 e 2018.

A monitorização deve centrar-se nos cereais, produtos à base de cereais, fórmulas para lactentes, fórmulas de transição, alimentos transformados à base de cereais destinados a lactentes e crianças jovens, alimentos para bebés, alimentos para fins medicinais específicos destinados especificamente a lactentes e crianças jovens, suplementos alimentares, leguminosas, frutos de casca rija e sementes oleaginosas, leite e produtos lácteos, bebidas alcoólicas e não alcoólicas, açúcar e produtos de confeitaria (incluindo cacau e chocolate), frutas, produtos hortícolas e produtos derivados de produtos hortícolas (incluindo cogumelos), folhas secas para chá, partes secas de outras plantas para infusões de ervas e moluscos bivalves.

Os Estados-membros, os operadores de empresas do setor alimentar e outras partes interessadas devem providenciar à Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (AESA) os dados de monitorização até 1 de outubro de 2016, de 2017 e de 2018.

Fonte: Tecnoalimentar

VELACTIS (cabergolina) - recolha

  • Wednesday, 27 July 2016 14:49

A DGAV divulga a informação comunicada pela CEVA sobre a decisão de recolha voluntária de todos os lotes do Velactis nos países europeus.

Prevendo a suspensão da autorização de introdução no mercado por motivos de segurança do medicamento veterinário em epígrafe, a CEVA decidiu proceder à recolha voluntária de todos os lotes do Velactis nos países europeus.

Consulte mais informações no DOCUMENTO ANEXO

Assim, é recomendado aos distribuidores por grosso, locais de aquisição direta e estabelecimentos de venda a retalho de medicamentos veterinários que:

1. Cessem de imediato a venda ou dispensa de todos os lotes;

2. Contactem os utilizadores finais (produtores), solicitando a devolução das unidades de Velactis não utilizadas;

3. Forneçam o mais rapidamente possível, a informação sobre os lotes e quantidades em stock e devolvam todas as unidades não utilizadas, à Ceva Saúde Animal - Produtos Farmacêuticos e Imunológicos, Lda.

É recomendado aos médicos veterinários que:

1. Cessem de imediato a prescrição do medicamento veterinário Velactis;

2. Avisem os utilizadores finais (produtores) de que devem devolver ao respetivo fornecedor todas as unidades de Velactis não utilizadas;

3. Devolvam quaisquer unidades que tenham em seu poder ao respetivo fornecedor.

Para consultar os detalhes da fundamentação do parecer da Agência Europeia do Medicamento (AEM/EMA), recomendando a suspensão da autorização de introdução no mercado, clique aqui.

Fonte: DGAV

Tendo em conta o novo quadro regulamentar relativo aos géneros alimentícios destinados a grupos específicos que entra em aplicação, encontra-se disponível o novo Modelo de Notificação, que reflete esse enquadramento.

Fonte: DGAV

A operação foi levada a cabo na passada sexta-feira, na zona da Grande Lisboa, e é a maior apreensão feita pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE).

Com o apoio da PSP, a Unidade Nacional de Informações e Investigação Criminal da ASAE "intercetou uma viatura de mercadorias que armazenava no seu interior garrafas de vinho tinto".

Em comunicado, a ASAE refere que na carrinha estavam garrafas de tinto Pêra Manca, "colheita de 2010, com os rótulos, contra rótulos e cápsulas contrafeitas".

"Foi constituído um arguido, com antecedentes criminais, estando em curso diligências de investigação para apurar os restantes elementos desta cadeia de distribuição ilegal, aguardando-se pelos resultados das análises físico-químicas e sensoriais a realizar no Laboratório de Segurança Alimentar da ASAE", refere o comunicado.

Na nota divulgada à comunicação social, a ASAE refere que a operação se insere nas ações de fiscalização da produção e comércio de vinhos, com o objetivo de garantir a "proteção dos produtos e das marcas".

A ASAE deixa ainda o alerta aos consumidores para eventuais fraudes que possam ocorrer, sobretudo na compra de vinhos em sites de vendas na internet.

"O preço de cada garrafa na produção é de cerca de 150 euros, sendo vendidas no mercado digital a 350 euros", refere o comunicado.

Fonte: TVI 24